revista puc minas

Inclusão Autonomia no aprendizado

1
Equipamento usado para mensurar tensão, corrente, resistência elétrica e continuidade foi desenvolvido no laboratório da PUC

Multímetro adaptado proporciona mais independência a alunos com deficiência visual

José Gabriel Lopes do Val, aluno do Curso de Ciência da Computação do Campus Poços de Caldas e deficiente visual, enfrentou algumas dificuldades ao cursar a disciplina de Eletricidade Básica quando estava no 2º período do curso, pois os equipamentos eram muito pequenos e a maioria dos resultados era mostrada em telas. Com base na experiência do estudante e buscando alternativas para facilitar o aprendizado de demais alunos com deficiência visual, o professor do Curso de Engenharia Elétrica Celso Iwata Frison e o técnico do Laboratório de Eletricidade Sérgio Rúbio pensaram em criar o protótipo de um aparelho muito utilizado nos cursos de exatas, o multímetro, pois no mercado não existe equipamento com a mesma função adaptado às necessidades de pessoas com essa deficiência.

O multímetro é utilizado para mensurar grandezas elétricas como tensão, corrente e resistência elétrica e continuidade, e os resultados obtidos aparecem em um visor digital. “É o principal equipamento usado nas aulas de laboratório, então precisaríamos de um protótipo que interagisse com os comandos do aluno no aparelho adaptado e que oferecesse a ele mais autonomia”, comenta o professor Celso Frison, que convidou no início do ano passado o então aluno do 4º período do Curso de Engenharia Elétrica Kaio Barros para desenvolver o protótipo. O projeto obteve financiamento do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Probic) da PUC Minas.

O aparelho adaptado é formado por placas com leitura em braile, conectadas ao equipamento tradicional, e, dessa forma, o aluno consegue identificar onde devem ser conectados os fios. Em seguida, foi desenvolvido um aplicativo para que as informações obtidas pudessem ser passadas via bluetooth (rede sem fio) para o celular e ditas por meio de voz ao aluno.

O equipamento foi finalizado no primeiro semestre deste ano e o aluno José Gabriel voltou ao laboratório para testar o funcionamento: “Facilitou demais. Imagina isso na aula? Eu só preciso tocar na tela do celular e ouvir os resultados que o aplicativo pronuncia. Muito prático e nos dá mais autonomia”.

Para o professor, foi muito satisfatório ver que José Gabriel absorveu o conteúdo da disciplina e conseguiu utilizar o equipamento desenvolvido. “Ele fez as montagens dos circuitos como a gente nas aulas, mostrando que realmente compreendeu. Melhor ainda é saber que a partir de agora outros alunos na mesma situação poderão ter mais independência durante o processo de aprendizagem, pois o multímetro adaptado está disponível para uso nas disciplinas de exatas para alunos com deficiência visual do Campus”, ressalta o professor Celso.

 

2
Os alunos Kaio e José Gabriel (assentados) com o professor Celso e o funcionário Sérgio
Texto
Beatriz Reis
Fotos
1Maressa Basso
2Felipe Pádua
Compartilhe
Fale Conosco
+Mais