revista puc minas

Diálogos Globalizar a esperança

“É dever das instituições de ensino, sobretudo das que são de inspiração católica, contribuir para que a humanidade vença a indiferença – sobretudo aos pobres, à desigualdade social – tão globalizada no mundo contemporâneo”

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Grão-chanceler da PUC Minas
Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte

Os 60 anos de serviços e investimentos da PUC Minas – na formação, promoção do conhecimento e educação – evidenciam que fé e ciência não se opõem, como alguns acreditam. Ao contrário, constituem elo indispensável capaz de promover o bem, construir um tempo novo, de mais harmonia e paz. Oportuno recordar-se de que o pensamento científico tem suas raízes no contexto da Igreja Católica – as catedrais foram o berço das universidades. Fé e ciência sempre coexistiram, resultando no aprimoramento da humanidade. Hoje, esse diálogo entre diferentes campos do saber e a espiritualidade, que está na identidade da PUC Minas, é importante caminho para superar uma perspectiva equivocada sobre o desenvolvimento científico. Essa limitada percepção compreende o ambiente acadêmico simplesmente como lugar para promover a qualificação técnica de estudantes, capacitando-os exclusivamente para preencher os quadros de empresas, ou para se tornarem empreendedores comprometidos somente com o mercado. A universidade deve ser bem mais que isso, pois o mundo não se reduz à frieza dos números.

Preparar profissionais e empreendedores com sólida formação técnica é essencial, mas torna-se, no contexto atual, ainda mais imprescindível oferecer formação integral, capaz de contribuir para que os estudantes sejam protagonistas, construtores de um mundo marcado pela fraternidade e justiça. A educação superior não pode ser simples engrenagem de um sistema que busca apenas promover a acumulação de riqueza sem limites, desconexa de parâmetros humanísticos. É dever das instituições de ensino, sobretudo das que são de inspiração católica, contribuir para que a humanidade vença a indiferença – sobretudo aos pobres, à desigualdade social – tão globalizada no mundo contemporâneo.

Nos seus 60 anos, a PUC Minas, coerente com a sua identidade cristã, assume a responsabilidade de contribuir para transformar o mundo, unindo o saber científico à formação humana integral. Seu compromisso com o bem e com a ética tem como pilar o mandamento do amor, ensinado por Jesus Cristo. Sobre essa base, a PUC Minas constrói a sua trajetória, respeitada e reconhecida por todos. Abraça, com coragem, a identidade católica e a missão que o Papa Francisco confia a todas as instituições de ensino da Igreja: globalizar a esperança.

Globalizar a esperança significa, justamente, vencer o conformismo e a indiferença. Acreditar que é possível alcançar um futuro melhor, a partir da dedicação, do empenho e da criatividade de todos. Diante das muitas adversidades, das inúmeras situações que subordinam o ser humano ao sofrimento, brilham as instituições que alimentam a esperança. Parabéns à PUC Minas, seus professores, colaboradores, estudantes e suas famílias, de ontem e de hoje, por construírem uma história alicerçada na fonte inesgotável de esperança, Jesus Cristo. A cada ano, no dia a dia, todos renovem, valendo-se da fé e da ciência, o compromisso de globalizar a esperança.

Texto
Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Grão-chanceler da PUC Minas Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte
Compartilhe
Fale Conosco
+Mais