revista puc minas

Inclusão Integração assegurada

O ex-aluno Ricardo de Paula Vieira, que tem deficiência visual

Núcleo apoia inclusão de alunos com necessidades especiais

A PUC Minas conta com o Núcleo de Apoio à Inclusão do Aluno com Necessidades Educacionais Especiais (NAI), que atua desde 2004 oferecendo suporte didático-pedagógico aos alunos com deficiências auditiva, visual, locomotora e com transtornos de aprendizagem e comunicação. Com sede no Campus Coração Eucarístico, o NAI, um dos setores que compõem a Secretaria de Cultura e Assuntos Comunitários (Secac), se faz presente nos campi e unidades da Universidade por meio da Divisão de Apoio Comunitário, também ligada à Secac.
O trabalho do núcleo se inicia ainda no processo seletivo. Ao se inscreverem para o vestibular os candidatos informam se possuem algum tipo de necessidade especial. O NAI, então, adapta as provas para o sistema braile, disponibiliza intérpretes de libras e garante o mobiliário adequado para a realização da prova. Depois da aprovação, o núcleo faz um acolhimento por meio de entrevistas individuais, buscando conhecer mais o aluno e seu histórico educacional para desenvolver um protocolo específico de acompanhamento durante toda sua permanência na Universidade.
Com deficiência visual, o ex-aluno Ricardo de Paula Vieira reconhece a importância do trabalho do núcleo para sua formação. “Eu sempre fui muito bem apoiado pelo NAI. Durante todo o curso, colocaram-se à minha disposição, digitalizaram livros inteiros para que eu os pudesse ler através de programas de leitores de tela, adaptaram textos e provas para o braile, fizeram leituras para mim, descreveram gráficos e desenhos. Sem o atendimento do NAI, minha vida na Universidade teria sido muito complicada”, explica.
Ricardo graduou-se em Filosofia e Teologia, sendo que durante sua primeira formação, de 2001 a 2003, o núcleo ainda não existia. “Antes da criação do NAI eu recebia o apoio dos voluntários do setor de braile da Biblioteca Pública Estadual, que liam para mim livros e textos. Depois que o NAI foi criado, eu pude ter acesso a todo o material didático de todas as disciplinas. Tudo o que os outros alunos liam eu mesmo pude ler”, conta.
Hoje, são 355 alunos assistidos pelo NAI, através de suas quatro áreas: deficiência auditiva, deficiência visual, limitação locomotora e transtornos de aprendizagem e comunicação. Há 14 anos, quando o NAI foi criado, eram 30 alunos assistidos , como observa a coordenadora do núcleo, Ana Lúcia Moura.
Hoje, o NAI conta com mais de 50 funcionários trabalhando em prol dos alunos com necessidades educacionais especiais em três turnos.

Capacitação para o mercado de trabalho

Israel Júlio Rodrigues é aluno do Curso de Informática Básica desde agosto

O Rede Incluir, da Pró-reitoria de Extensão (Proex), é mais um projeto de inclusão social da PUC Minas voltado para pessoas com deficiência e reabilitadas do INSS. O programa oferece cursos de capacitação para o mercado de trabalho, ministrados nos campi Coração Eucarístico e Betim, e também nas unidades Barreiro, São Gabriel e Praça da Liberdade.
Desde 1999, a Proex realiza projetos voltados à inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. O atual formato do Rede Incluir acontece desde fevereiro de 2016 e tem grande importância para o papel social da Universidade. “O projeto reitera a missão da Universidade na medida em que dissemina os valores humanísticos para uma sociedade mais inclusiva e possibilita o acesso da pessoa com deficiência a uma formação de qualidade, em um ambiente acolhedor e favorável ao empoderamento e promoção da autonomia”, afirma a professora Carolina Costa Resende, coordenadora do Rede Incluir.
Israel Júlio Rodrigues é aluno do Curso de Informática Básica há dois meses e está em busca de melhorar seu aprendizado. “Saber usar a internet hoje em dia é tudo. Quem não tem esse curso não tem oportunidades”, declara.
Os cursos oferecidos são de Artesanato, Auxiliar Administrativo, Informática Básica, Informática NVDA (voltada para pessoas cegas ou com baixa visão), Massagem, dentre outros. O curso mais recente é o de Recepcionista de Eventos, em parceria com o programa Sedesct/Pronatec.
Todas as atividades são gratuitas e podem participar pessoas com deficiência física, auditiva, visual, intelectual, doença mental e/ou múltipla, a partir dos 16 anos.

Texto
Rafaela Rodrigues
Fotos
Raphael Calixto
Compartilhe
Fale Conosco
+Mais