revista puc minas

Comunicação Luz, câmera, diversão

foto-1-52
Para Iara Letícia da Silva (centro), aluna do Curso de Cinema e Audiovisual, o recurso audiovisual é “muito potente”

Projeto Cine Providência experimenta a produção de conhecimentos práticos em audiovisual

“Uma câmera na mão e uma ideia na cabeça” foi o que bastou para que o projeto Cine Providência, do Curso de Cinema e Audiovisual, tomasse novos rumos. O cineasta Glauber Rocha afirmava que assim se fazia o cinema, ao defender a utilização dos meios de produção artísticos para a transformação da sociedade. A mudança de direção, de acordo com a coordenadora, professora Sandra Freitas, veio de forma “muito inusitada”. “Os monitores tinham levado [ao projeto] as câmeras para fazer algum registro. E quando as crianças começaram a pintar demais, um deles falou: ‘vou filmar vocês fazendo essa bagunça toda’. Elas bagunçaram e depois queriam ver o que tinha sido gravado. E a atitude foi outra: de concentração, de prestar atenção. Vimos que esse era o caminho”, conta.

Vinculado ao projeto de extensão Providência na Comunidade, da Faculdade de Comunicação e Artes (FCA), o Cine Providência teve início em 2016 com a proposta de cineclube, com debates e reflexões após os filmes. Em 2018, a partir das características e perfil do público, de oito a 15 anos, adotou um novo formato e vem dando a oportunidade para crianças e adolescentes carentes experimentarem a produção audiovisual, transformando-os em protagonistas de suas próprias histórias. Os participantes são educandos do Projeto Providência, instituição pertencente à Providens – Ação Social Arquidiocesana, que acolhe pessoas em situação de vulnerabilidade social.

A professora Sandra ressalta a importância transformadora do projeto, tanto para alunos como beneficiários. “É incrível como muda a percepção de mundo deles a partir do contato com a comunidade, isso é uma coisa que a extensão consegue com uma força enorme, talvez a maior potência seja essa”, afirma. “Nenhum dos educandos também é o mesmo, o orgulho que eles têm de ver o que fizeram, que são capazes”. Ela conta o caso de um aluno de Jornalismo que foi educando, retornou para ensinar grafite e, no contato com os extensionistas, decidiu ingressar na Universidade.

A estudante Iara Letícia da Silva, 22, do 8º período de Cinema e Audiovisual, reconhece que a participação em atividades extensionistas “enriquece muito” a formação. “Percebi a importância de contribuir para uma educação horizontal, e que isso é possível através da oportunidade que temos de projetar no ‘mundo real’ os saberes que o ensino superior pode nos dar”, diz. Para ela, o audiovisual é um meio de comunicação “muito potente” e a forma como a sociedade se relaciona com ele é “inédita”: “É incrível ver as crianças projetarem seus olhares, suas vivências nas periferias, para sua forma de filmar e de criar”.

Até o momento, foram elaboradas sete peças audiovisuais, envolvendo as três unidades da Providens: Fazendinha, Taquaril e Vila Maria. Os extensionistas fazem o acompanhamento de todo o processo e a edição. Depois de finalizados, os vídeos são postados no canal do Projeto Providência no YouTube.

Para o pedagogo Ivan Ferreira da Silva, da Providens, a diversificação de linguagens, em especial o audiovisual, “colabora para o acesso e a oportunização de ferramentas e mecanismos que auxiliem no processo de desenvolvimento infantil, estimulando a criatividade, o imaginário, desenvolvimento cognitivo e socioemocional, bem como outros aspectos importantes no campo educativo”. De acordo com ele, em três anos, cerca de 250 educandos já foram beneficiados.

Texto
Fernando Ávila
Foto
Raphael Calixto
Compartilhe
Fale Conosco
+Mais