revista puc minas

Translúcida memória

Plantas baixas originais da Universidade estão sendo restauradas e arquivadas para consulta pública

"Se a reta é o caminho mais curto entre dois pontos, a curva é o que faz o concreto buscar o infinito"

Oscar Niemeyer

Em leves folhas amareladas pelo tempo, entre belas linhas e curvas, observamos os traçados que deram origem aos ambientes de conhecimento e vida da PUC Minas. Trata-se das concepções arquitetônicas de vários espaços que formam, atualmente, os campi da Universidade. Esses projetos, confeccionados em papéis translúcidos e manteiga, ganham, agora, lugar de destaque na história institucional. Serpenteando por formas e perspectivas, a memória se completa, transfigura-se, apresentando cores e desenhos variados. É que as plantas começam a ser restauradas e arquivadas pelo Centro de Memória e de Pesquisa Histórica da PUC Minas. Esboços primitivos do Complexo Esportivo, da Biblioteca do Campus Coração Eucarístico e dos campi Contagem e Barreiro, entre outros, compõem acervo valioso para a memória da Instituição. Por isso, o material, após receber tratamento técnico, será arquivado e disponibilizado para consulta e apreciação de pesquisadores e público em geral.

 

Página sob a responsabilidade da professora Sílvia Rachi, do Departamento de História, e coordenadora de Pesquisa do Centro de Memória e de Pesquisa Histórica da PUC Minas (CMPH). Além de viabilizar o aprofundamento da pesquisa histórica , entre outras atividades, o CMPH acumula um significativo acervo sobre a memória da Universidade.
Compartilhe
Fale Conosco
+Mais