revista puc minas

Medicina Trajetória bem-sucedida

2
Alunos simulam atendimento em laboratório do Curso de Medicina no Campus em Betim

Universidade forma os primeiros médicos no Campus Betim, Poços de Caldas recebe primeira turma e Contagem terá curso neste ano

A PUC Minas celebra novos ciclos na área da saúde neste semestre: de um lado, o Campus Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, forma os primeiros médicos da Universidade, e, de outro, o Curso de Medicina chega ao Campus Poços de Caldas, no Sul de Minas Gerais. Ambas as trajetórias não foram fáceis, mas os resultados, como a nota máxima em Betim, e as perspectivas do curso em Poços de Caldas são as melhores possíveis. Já no Campus Contagem, o curso foi autorizado em abril pelo Ministério da Educação (MEC), com 50 vagas anuais, e as aulas se iniciam em agosto deste ano.

A chegada do Curso de Medicina na PUC Minas Poços de Caldas teve um longo percurso iniciado em outubro de 2013. O desejo de levar à cidade um curso que capacitasse com critério e excelência os profissionais da saúde para atender a população partiu da Prefeitura Municipal e da Universidade, que se prepararam em todos os quesitos para as visitas do MEC. O professor Antônio Ângelo Rocha, na época secretário municipal de saúde, hoje coordenador do curso no Campus, esteve à frente das medidas para a aprovação da graduação na cidade. Em setembro de 2017 o MEC autorizou a abertura da graduação pelo Campus de Poços da PUC Minas.

Para os 29 alunos do Curso de Medicina do Campus Betim que se graduam ao fim deste semestre, a trajetória também foi longa: ao todo, foram 3.074 horas-aula dedicadas aos internatos, representando 36% da carga horária total do curso, além de, pelo menos, 1.007 horas-aula (839 horas-relógio) de Atividades Complementares de Graduação. Hoje, no total, o Campus Betim possui 718 alunos matriculados no Curso de Medicina, avaliado com nota máxima (5) pela Comissão de Avaliação do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep/MEC).

Durante todo o Curso de Medicina, que aborda de forma integral o ser humano no processo saúde-doença-cuidado, os alunos têm o acompanhamento de um professor mentor de turma, o chamado Projeto de Mentoring. A partir deste projeto, cada mentor dedica atenção exclusiva à mesma turma, do 1º ao 12º períodos, sendo um agente facilitador do processo ensino-aprendizagem, focado no percurso realizado pelo aluno ao longo desse processo.

O Curso de Medicina do Campus Contagem mantém o projeto pedagógico do curso já implantado nos demais campi, com formação integral e enfoque no atendimento, em sintonia com a formação humanística que caracteriza a qualidade de ensino PUC Minas. Dessa forma, os alunos aprenderão não apenas os conceitos e as técnicas clínicas e cirúrgicas, mas também as habilidades e atitudes que valorizam o cuidado e humanizam o exercício da profissão.

Curso agrega valor a Poços de Caldas

1

"Eu não me via em outro lugar, fazendo outro curso, então não tinha por que desistir da medicina e fui até o final"

Murilo Augusto Gil Tunuci, aluno do Curso de Medicina

Para o pró-reitor adjunto do Campus Poços de Caldas, professor Iran Calixto Abrão, a chegada do Curso de Medicina agrega valor ao município. “Conseguimos ver a formação do corpo discente inserida no dia a dia do município. Temos profissionais altamente qualificados, novas ideias sendo lançadas na cidade e muitos ex-alunos atuando no governo municipal. Nosso Curso de Medicina é um curso de ponta e vai ter proximidade com o município. Vamos poder fazer um trabalho ainda maior na área da saúde e atender de forma ampla a comunidade”, pontua.

Foi com o firme propósito de seguir a vocação e dar sua parcela de contribuição a essa área que Murilo Augusto Gil Tunuci passou por oito anos de cursinho pré-vestibular para enfrentar as provas de medicina. Chegou a ser aprovado em faculdades particulares, mas sem condições para pagar o curso continuou tentando. Foi quando ficou sabendo das cinco bolsas oferecidas pela PUC Minas Poços de Caldas para o novo Curso de Medicina iniciado no segundo semestre de 2017. Foi o primeiro aprovado na classificação geral, mas a inscrição feita por engano pela mãe do estudante não daria a oportunidade da bolsa integral. A segunda tentativa para a turma do primeiro semestre de 2018, concorrendo à vaga de bolsista, foi certeira e Murilo conseguiu a aprovação. “Eu não me via em outro lugar, fazendo outra coisa, então não tinha por que desistir e fui até o final”, conta.

O Campus, que conta com laboratórios para os cursos de Fisioterapia, Enfermagem e Psicologia, também contará com um novo prédio e já possui toda a estrutura exigida e manequins de simulação para as aulas práticas.

As duas primeiras turmas iniciaram as aulas em fevereiro e junto às disciplinas teóricas também cumprem estágio observacional nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) do município. Na atividade, sob supervisão, os alunos não examinam o paciente, já que ainda não possuem conhecimento técnico para tal procedimento. O objetivo é conhecer o funcionamento de vários setores da área da saúde para ampliar a visão do contexto médico. Os alunos são divididos em grupos e as visitas às UBS são realizadas semanalmente, de maneira que tenham acesso a todos os setores, desde a sala de vacina até a visita em casas, acompanhados de agentes de saúde.

O método de ensino aplicado pela Universidade no Curso de Medicina também é tido como diferencial, já que mescla o método tradicional, com aulas expositivas ministradas pelo professor, e as metodologias ativas, com trabalhos em grupos e discussões que levem o aluno à busca do conteúdo. “Essa forma de ministrar o curso exige que o aluno se torne mais crítico, ativo e desenvolto. A soma dos dois métodos melhora o processo de aprendizagem”, diz o professor Antônio Ângelo.

Esse diferencial atraiu Stephanie Tibcherani Moraes, de 26 anos, que chegou a cursar Enfermagem no Campus, mas desistiu da graduação quando teve certeza de que medicina era a carreira que gostaria de seguir. Entrou para o cursinho pré-vestibular e depois de dois anos conseguiu a aprovação. Ela conta que voltar ao Campus para o curso que sempre sonhou é gratificante. “Sinto-me realizada por estar novamente aqui. E depois de conhecer a infraestrutura do curso e os professores, minhas expectativas são as melhores”, conta.

Primeira turma tem nome do Papa

É tradição do Curso de Medicina que os alunos escolham alguém que lhes sirva de exemplo para que deem o nome dessa pessoa à turma. No Campus Betim, a primeira turma de Medicina da PUC Minas escolheu o nome de batismo do Papa Francisco, Mário Jorge Bergóglio. “O Papa Francisco representa para nós uma figura nova na Igreja Católica, que vem revolucionando o mundo exclusivamente por meio do amor, da tolerância e do respeito. Esta é uma das premissas que queremos levar para o mercado da medicina: trazer conforto, cuidado e dedicação ao nosso paciente”, afirma o representante da turma, Flávio Henrique Bernardes Papa, de 23 anos.

Para Flávio, ter estudado na PUC Minas foi uma experiência singular. “O médico formado pela PUC Minas é um profissional diferenciado, que se reconstrói a partir da reflexão diária. Isso só foi possível porque em todo o curso fomos introduzidos à comunidade, mantendo contato com o paciente desde os primeiros períodos”, ressalta o aluno. “Somos gratos à Universidade por tudo que nos ofereceu, desde o colegiado, sempre de braços abertos, até a estrutura física proporcionada. Quando o curso recebeu a nota máxima pelo MEC, todos nos sentimos realizados por saber que fizemos parte da construção dessa história”, complementa Flávio.

Texto
Cloe Massa e Lorena Scafutto
Fotos
1Felipe Pádua
2Marcos Figueiredo
Compartilhe
Fale Conosco
+Mais