revista puc minas

Especial Transformando vidas

1
Campus Coração Eucarístico

PUC Minas se destaca pela contribuição
ao desenvolvimento das comunidades em que está presente

foto-2-raphael-calixto2
Rômulo Teixeira de Matos

Quando em 1994, aos 14 anos de idade, começou a trabalhar como aprendiz na PUC Minas, por meio de projeto da Cruz Vermelha, Rômulo Teixeira de Matos não imaginava que teria oportunidades que transformariam sua vida. Originário de uma família de recursos modestos, residente na periferia de Ibirité, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), não tinha como arcar com os custos de uma graduação superior. Contratado como auxiliar de serviços da Pró-Reitoria de Logística e Infraestrutura três anos depois de permanecer como aprendiz, graduou-se em Ciências Contábeis, especializou-se em Engenharia de Produção na própria Universidade e ocupa hoje o cargo de supervisor de Manutenção no Campus Coração Eucarístico. “A PUC abriu diversas portas para mim. E eu as mantive abertas com minha dedicação e o apoio daqueles que me ensinaram, aqui, tudo o que sei sobre ser profissional”, conta Rômulo.

Mas os ganhos não foram só profissionais. “Ainda na sala de aula, na graduação, conheci minha atual esposa. Hoje, temos um filho de nove anos, e o que desejo é que ele encontre um lugar que lhe dê oportunidades e o valorize como eu fui. A PUC Minas transformou a minha vida”, completa Rômulo, que testemunhou a evolução da Universidade nestas últimas décadas.

Transformar vidas é uma das marcas da PUC Minas, que, ao completar 60 anos no dia 12 de dezembro, reunindo mais de 55 mil alunos em uma estrutura multicampi, tem muito o que comemorar. Além de oferecer uma formação de excelência na graduação e pós-graduação, a Instituição se notabiliza pela contribuição nas trajetórias de estudantes, professores, funcionários e no desenvolvimento das comunidades nas quais está presente.

Tendo se iniciado no Campus Coração Eucarístico, que oferece 40 cursos de graduação, a Universidade começou seu processo de expansão em 1990, com o intuito de fomentar a educação em vários pontos de Minas Gerais. A chegada da PUC Minas a Contagem, na RMBH, foi um marco por ser a primeira Instituição de Ensino Superior (IES) a se instalar no município. Localizado no Centro Industrial de Contagem (Cinco), o Campus oferta, atualmente, os cursos de Administração, Ciências Contábeis, Direito, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Medicina e Sistemas de Informação.

Se, inicialmente, o Campus recebia alunos de Belo Horizonte interessados na oferta de vagas na cidade vizinha, hoje a situação é diferente: cerca de 80% do corpo discente reside no município. “Dados do Observatório da Prefeitura Municipal de Contagem (PMC) apontam que, em 1991, o fluxo escolar por faixa etária de 18 a 20 anos com ensino médio completo no município era de 11,71%. Já em 2010, este número ampliou para 48,08%. Nossa vinda certamente corrobora para a inclusão de parte relevante desses jovens no curso superior”, afirma o pró-reitor adjunto do Campus, professor Robson dos Santos Marques.

Em 2016, segundo os dados do Observatório da PMC, das IES instaladas no município, a PUC Minas possuía 31,7% do total de alunos matriculados. “Nos órgãos públicos e nas empresas há funcionários que estudaram aqui. Todos os cursos estão inseridos, de uma maneira ou de outra, no município. Sem presunção, podemos dizer que não se pode pensar em Contagem sem pensar na PUC Minas também”, afirma o diretor acadêmico, professor Odil de Lara Pinto, que se formou na primeira turma do Curso de Direito do Campus e leciona em seu curso de formação desde 2001.

É o caso de Hugo Vilaça, contagense e graduado no Campus, e atual secretário de Administração do município. “Como secretário municipal de Administração, posso dizer que Contagem agradece pelos serviços prestados e a seriedade com que a PUC Minas leva seu conhecimento além das fronteiras”, afirma Vilaça, que faz parte do Conselho Consultivo do Curso de Administração, formado por ex-alunos atuantes em diversas áreas.

História atrelada
ao crescimento da região

foto-3-raphael-calixto2
Sabrina Mudesto é atendida na clínica

O papel da Universidade na comunidade pode ser tão transformador que conhecimento acadêmico e desenvolvimento regional caminham juntos. Este é o caso da PUC Minas Betim, que tem sua história atrelada ao crescimento da região. Um ano após a inauguração do Campus, em 1996, o governo municipal inaugurou o primeiro Hospital Público de Betim e iniciou a consolidação da rede de saúde, com novas unidades de atendimento imediato. “Ao mesmo passo que a cidade se tornou um polo na área da saúde para os municípios vizinhos, a PUC Minas, atendendo às necessidades da região e também do mercado profissional, foi se tornando, ao longo dos anos, uma referência de formação nesta área”, afirma o pró-reitor do Campus, professor Eugenio Batista Leite. Atualmente, cinco das dez graduações ofertadas são da área da saúde: Biomedicina, Enfermagem, Fisioterapia, Medicina e a Medicina Veterinária. Outros cursos ofertados, que também atendem estrategicamente a demanda da região, são Administração, Engenharia de Produção, Psicologia e Sistemas de Informação.

O Campus Betim possui uma forte marca na cidade, por meio do atendimento à comunidade. A Clínica de Psicologia já realizou mais de 45 mil atendimentos, o Serviço de Assistência Judiciária (SAJ) já atendeu a mais de oito mil casos e o Centro de Estudos Clínicos em Animais, por sua vez, realiza mais de 10 mil atendimentos semestrais.

Sabrina Rosa de Oliveira Mudesto, de 26 anos, conheceu a Clínica de Fisioterapia ainda criança. “Com sete anos de idade, eu tive tuberculose, e, após a doença, descobri que teria que fazer tratamento fisioterápico, além do uso de medicamentos por toda a vida”, conta. “Faço, então, desde pequenina, fisioterapia respiratória na PUC Minas Betim. Hoje, aos 26 anos, não sei como teria sido sem a Universidade”, ressalta. O Centro Clínico de Fisioterapia já atendeu a mais de 110 mil pacientes em Betim.

Laços estreitos com a comunidade

foto-4-raphael-calixto2
Sirceline Marques Brugger, de 80 anos, participa do PUC Mais Idade na PUC Minas Barreiro

Parcerias entre universidades e a comunidade proporcionam relacionamentos mutuamente benéficos e esta é uma das marcas da Unidade Barreiro. Com sua primeira sede no Colégio São Paulo da Cruz, a PUC Minas chegava à região há 17 anos. Hoje, com cinco prédios próprios, localizados em uma das principais avenidas do Barreiro, a Unidade cresceu e se consolidou como uma protagonista da transformação da região.

“Estreitar os laços com a comunidade do entorno sempre foi uma preocupação dos gestores da Unidade. Este é um ponto de encontro e de referência. Abrimos nossas portas para diversas atividades de vários setores da sociedade”, aponta a pró-reitora adjunta da Unidade, professora Lucila Ishitani.

A Coordenação de Extensão promove ações de forte impacto na sociedade, como é o caso do PUC Mais Idade. Com início das atividades em 2012, o programa tem o objetivo de promover debates e realizar atividades para idosos, como as que proporcionam a inclusão digital. Sirceline Brugger, de 80 anos, participa do projeto desde 2013, já aprendeu a utilizar o computador e celular, mas gosta de retornar às aulas: “É uma forma de conviver com as pessoas e fazer mais amizades”.

De acordo com o coordenador de Extensão da PUC Minas Barreiro, professor Pedro Ivo Alexandre de Oliveira, uma ação que propiciou a ampliação e melhor direcionamento de projetos extensivos à comunidade foi o Programa Rede Social PUC Minas Barreiro. “O projeto foi criado para discutir temas e atender às demandas da sociedade. Boa parte dos projetos que temos, hoje, nasceu das reuniões do Rede Social”, comenta.

Além de projetos de extensão, a Unidade disponibiliza os auditórios para uso da comunidade e oferece à Prefeitura de Belo Horizonte espaço para que alunos de ensino fundamental tenham aula – ao todo, 280 alunos, de 6 a 11 anos, das Escolas Municipais Padre Flávio Giammetta e Escola Municipal Luiz Gatti utilizam o espaço.

Transformação pela inclusão digital

foto-5-raphael-calixto2
O adolescente Kawan Borges viu no projeto uma nova perspectiva de futuro

A Unidade São Gabriel também lança seu olhar para a transformação social. Além do PUC Mais Idade, que oferece atividades para pessoas com mais de 50 anos, a Unidade promove projetos para crianças, como o Programação de Robôs Didáticos como Ferramenta de Motivação Educacional. Um dos objetivos é motivar os participantes a descobrirem o seu potencial relacionado à lógica de programação, Matemática e Física. “Nós vimos adolescentes que eram muito tímidos começarem a se sobressair e melhorar o desempenho na Matemática”, conta o coordenador do projeto, professor Alexandre Teixeira. Para o adolescente Kauan Borges, 13 anos, o projeto trouxe mudanças. “Fico menos tempo na rua e agora penso mais no meu futuro”, explica.

A Unidade é também um centro de referência em formação e pesquisa na área de Tecnologia de Informação. “Somos reconhecidos pela excelência na formação de profissionais na área de TI, com a oferta de mestrado e doutorado”, afirma o pró-reitor adjunto da Unidade, professor Alexandre Rezende Guimarães.

Forte presença na região Centro-Sul

Presente também na região Centro-sul da capital mineira, a PUC Minas Praça da Liberdade une os conceitos da educação à modernidade e inovação. Fatores como mobilidade favorável e proximidade a grandes empresas fazem da primeira Unidade verticalizada da PUC Minas destaque na região: em seis prédios a Unidade oferta 12 cursos.

Para o pró-reitor adjunto da Unidade, professor Miguel Alonso de Gouvêa Valle, o sucesso se apoia na qualidade de ensino, ancorada no processo de formação acadêmica alicerçado na missão de uma Pontifícia Universidade Católica. “A Praça da Liberdade carrega consigo o legado dos 60 anos da PUC Minas e, além disso, apresenta atrativos que são importantes para a formação acadêmica dos alunos, como estrutura moderna, vivência na área de atuação por meio dos núcleos experimentais, clínicas e serviços de atendimento à comunidade”, reforça o pró-reitor. Também é um diferencial o funcionamento de um Posto de Mediação do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, em parceria com a Faculdade Mineira de Direito, que trabalha na resolução de conflitos nas áreas de família, posse e propriedade.

A facilidade de acesso à Unidade foi um dos fatores que motivaram Luiz Felipe Silva Fontes, do 5º período do Curso de Relações Internacionais, a escolher a Praça da Liberdade. “A localização, além da grande qualidade dos professores, é um grande diferencial para quem estuda aqui”, ressalta o aluno.

Para o próximo ano, o pró-reitor revela que a Unidade terá outros diferenciais, como os novos laboratórios do Curso de Arquitetura e Urbanismo e a inauguração da Clínica Veterinária para atendimento a animais de pequeno porte, que funcionará no prédio do Curso de Medicina Veterinária.

Referência no Sul de Minas

foto-6-elisa-erino3
Danilo da Silva Jorge elogia a estrutura da Universidade

Dando continuidade ao seu processo de expansão, a PUC Minas se instalou, em 1997, em uma das cidades com um dos melhores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) do Estado: Poços de Caldas. Localizada no Sul de Minas, a mais de 400 quilômetros de Belo Horizonte e 250 quilômetros da Grande São Paulo, a cidade favorece a ida de alunos de ambos os estados para o Campus, que se tornou referência em ensino superior na região. “Eu cursava Engenharia de Produção em uma faculdade. Resolvi deixá-la e ingressar na PUC Minas. Optei por não fazer o pedido de equivalência das disciplinas que já havia cursado, mas sim fazer o mesmo curso, desde o início, para aproveitar toda a estrutura e técnica que esta Universidade pode me oferecer”, conta Danilo da Silva Jorge, que ingressou na Universidade por Transferência Externa.

Atualmente, no Campus são ofertados 14 cursos de graduação, além dos cursos de pós-graduação, como nos outros campi e unidades que realizam e apoiam projetos que beneficiam toda a comunidade do entorno. Exemplo disso é o projeto Produzindo Sustentabilidade, que desenvolve ações, juntamente com cooperativas, associações, escolas municipais e prefeitura, buscando conscientizar a população sobre a importância da coleta seletiva e do descarte adequado de material reciclável. “Para mim, ter sucesso é poder tornar mais fácil e melhor a vida de alguém. Eu estou conseguindo fazer a diferença por meio desse projeto”, destaca o aluno Danilo.

Atuação em defesa dos quilombolas

Além de garantir a excelência do ensino e de sua produção científica, a Universidade busca oferecer acesso ao conhecimento a todas as camadas sociais, como ocorre na PUC Minas Serro. Inaugurado em 2003, o Campus está situado no Alto Jequitinhonha, no Nordeste do Estado de Minas Gerais, e recebe alunos de até 200 quilômetros de distância. “Não fosse a oportunidade dada pela presença da PUC Minas, muitos dos jovens teriam deixado suas famílias e se deslocado para uma cidade grande, em busca de uma instituição de ensino superior. Outros, no entanto, não teriam feito o ensino superior por não terem condições de arcar emocional e financeiramente com esse deslocamento”, aponta o pró-reitor adjunto do Campus, professor Ronaldo Rajão Santiago.

O Campus Serro oferece o Curso de Direito na modalidade presencial, e, a distância, os cursos de Administração e Ciências Contábeis. Um importante setor da Instituição atua no atendimento à comunidade e tem possibilitado transformação social na região: o Serviço de Assistência Judiciária (SAJ). Devido à falta de Defensoria Pública, o SAJ oferece o serviço jurídico gratuito àquelas pessoas que não podem pagar por ele. Além disso, por meio do projeto de extensão A Luta pelo Reconhecimento de Direitos Fundamentais das Comunidades Remanescentes de Quilombo, o Campus contribui na defesa jurídica dos direitos étnicos e territoriais das comunidades quilombolas, especialmente do reconhecimento da validade jurídica das leis tradicionais, da propriedade coletiva de seus territórios tradicionais e da formulação e execução de políticas públicas. O município possui cinco comunidades quilombolas: Ausente, Baú, Fazenda Santa Cruz, Vila Nova e Queimadas. “A Universidade já nos possibilitou várias conquistas, como o reconhecimento e certificação da nossa comunidade. A PUC Minas Serro representa um marco na vida do nosso povo”, atesta Lidinei Lucas Silva, quilombola da Fazenda Santa Cruz e membro do Conselho Deliberativo Quilombola de Serro.

Assistência judiciária
e oportunidades de trabalho

Assim como acontece no Campus Serro, a PUC Minas Arcos também exerce forte papel na assistência judiciária no município, que não possui Defensoria Pública. Localizado a 215 quilômetros da capital mineira, o Campus, considerado estratégico para o desenvolvimento da região Centro-Oeste do Estado, tem como propósito a formação de profissionais capazes de responder para além das expectativas de desenvolvimento regional. “Além de formar profissionais com as competências técnicas e éticas, a PUC Minas amplia a oportunidade de trabalho na região. Muitos de nossos ex-alunos, por exemplo, são, hoje, nossos professores. Retornaram à casa para dar continuidade a este processo de educação no ensino superior, que tem transformado a região”, ressalta o professor Jorge Sündermann, pró-reitor adjunto do Campus.

O Serviço de Assistência Judiciária (SAJ) da PUC Minas Arcos promove atendimentos além dos convencionais no Campus. Em parceria com o Tribunal de Justiça, desde o ano de 2016 o SAJ realiza parte das audiências de conciliação de processos ajuizados na Comarca. Os alunos participam efetivamente das tentativas de acordo, atuando como conciliadores. Somente no primeiro trimestre de 2018, foram realizadas 48 audiências de conciliação.

A expansão da Universidade pelo Estado levou a PUC Minas também ao Triângulo Mineiro, em Uberlândia, em 2016. O mais recente Campus, a PUC Minas Uberlândia oferta os cursos de Direito, Sistemas de Informação e Teologia, além de cursos de pós-graduação.

Hoje, quase mil estudantes circulam pelo Campus, além da comunidade externa. Isto porque a PUC Minas Uberlândia propõe projetos extensivos à comunidade, como é o caso do atendimento jurídico gratuito à população local. Para Samantha Oliveira, do 7º período de Direito, “é um privilégio servir à cidade com o conhecimento adquirido em sala de aula”.

Um projeto que também se destaca na cidade é o Parlamento Jovem. Realizado em parceria com a Câmara Municipal, o programa objetiva a formação política de estudantes do ensino médio, criando a oportunidade do conhecimento sobre os instrumentos de participação no Poder Legislativo. Nesta parceria, os estudantes do Curso de Direito fazem orientações sobre elaboração de projetos de lei e motivam debates com os alunos de escolas públicas. “É uma troca de conhecimento e saberes: os adolescentes das escolas públicas, que aprendem sobre as leis; os universitários, que podem ter a participação no projeto incluído no currículo acadêmico; o Poder Legislativo, que pode descobrir novas vocações para legislar, além da população, que ganha mais leis voltadas ao bem-estar social”, aponta o professor Carlos Henrique Oliveira e Silva Paixão, pró-reitor adjunto do Campus.

Texto
Lorena Scafutto
Colaboração
Jornalistas dos campi e unidades
Fotos
1Marcos Figueiredo
2Raphael Calixto
3Elisa Erino
Compartilhe
Fale Conosco
+Mais